Economia

FIQUE ATENTO! Evite abastecer no dinheiro vivo para não cair no Golpe em determinados postos

FIQUE ATENTO! Evite abastecer no dinheiro vivo para não cair no Golpe em determinados postos

 

Condições especiais para pagamento de combustível à vista podem acobertar fraudes operacionais de dois tipos.

O motorista passa perto de um posto de combustível e logo vê um banner com preços tentadores para pagamento à vista no dinheiro. Ele pensa um pouco, percebe que tem algumas notas na carteira e resolve aproveitar o que acha ser uma promoção incrível.

Porém, entidades do setor de combustível alertam que essas ofertas para pagamento em dinheiro em espécie podem ser GOLPE.

Até faz sentido o estabelecimento oferecer descontos para pagamento em moeda viva, uma vez que as operadoras das máquinas de cartão de crédito ou débito costumam cobrar taxas. A questão é que essa fraude de combustível gera um prejuízo estimado de R$ 29 bilhões por ano.

Segundo Emerson Kapaz, presidente do Instituto Combustível Legal, cerca de R$ 14 bilhões vêm da sonegação de impostos e os outros R$ 15 bilhões são gerados por fraudes operacionais.

“Essas fraudes operacionais podem ser de dois tipos: em relação à qualidade do produto (adulteração) ou à quantidade. Nesse último caso, a bomba registra uma quantidade de produto, mas – na prática – o consumidor leva menos. É muito comum que postos fraudulentos apliquem, até mesmo, os dois golpes ao mesmo tempo”, explica.

Crime organizado e adulteração

Os postos oferecem preços abaixo do mercado para atrair o consumidor, que acaba envolvido em um esquema do qual não tem conhecimento.

“Nossa recomendação é de desconfiar de preço ‘milagroso’.

A margem de lucro de um posto é de R$ 0,50 a R$ 0,55 por litro, não tem como ter muita diferença de preço entre um e outro”, alerta José Alberto Gouveia, presidente do Sincopetro.

“Promoção com pagamento em dinheiro, principalmente no fim de semana, quando a fiscalização é menor, pode ser cilada. É uma forma de dificultar a comprovação de onde você comprou o combustível problemático. Esse setor é um dos poucos em que ainda se paga mercadoria em dinheiro vivo, e isso atraiu o crime organizado, que usa postos para lavagem de dinheiro e outros crimes, como a fraude de combustível”, completa o presidente do Instituto Combustível Legal.

Kapaz também recomenda que:

o consumidor sempre exija a nota fiscal, mesmo quando pagar com cartão. Dessa forma, fica mais fácil comprovar que o produto foi adquirido naquele estabelecimento caso apareça algum problema.

“Se se sentir lesado por combustível de má qualidade, orientamos que entrem em contato com o Instituto Combustível Legal para fazermos a apuração”, finaliza o presidente da entidade. (Fonte: Newsmotor)

FURQUIM

Outras notícias

Site Desenvolvido por
Agência UWEBS Criação de Sites